domingo, 11 de maio de 2008

queima das fitas

e 16 de Maio 1985
... as palavras por dizer


Muitas,
dos lugares,
da saída da mãe com a malinha,
dos recados, da luz do quarto na visita,
dos sorrisos e de ti pequeníssimo
num sono satisfeito.

Logo depois foi a ida ao campo
com a mana.
Um céu de primavera, alta
azul e vermelho,
dois cavalos inchados
num carro azul na mala,
um boneco de companhia,
numa fotografia do monte
ali prá igrejinha.

Deste-me a tarde, do teu primeiro dia
feliz . E depois
outros dias.

Meu prudente...
diz, diz, diz sempre.
O mais importante é dizer,
e embora não pareça,
eu sempre ouvi
e oxalá, eu te consiga dizer
todas as palavras importantes
mesmo, as das coisas
ainda não dizíveis.

Com o atraso habitual
e após a queima.
Guarda os teus avós
e todos.



Que a marca pelo fogo
sirva de medida
no estirar da fita
e que ela seja o teu caminho
no tempo e no mundo.
Lembra-te.
Quanto mais
a estenderes
mais estreito fica o caminho
de terra e de luz